terça-feira, 20 de abril de 2010

CAMINHO

Capitão Nemo,
das minhas próprias loucuras,
não temo,
profundezas ou agruras.
Sigo as metas,
setas dos meus caminhos sem fissuras,
mata-burros ou censuras.


Minha fachada brilha sorrisos
e minhas janelas classificam indecisos
em pilhas, montes imprecisos,
no lombo da tormenta... noite e dia
diviso o sol na tempestade,
meu liquidifica-horror, minha poesia,
nossa Majestade.


Originalmente publicado AQUI em 23/05/2008

2 comentários:

  1. Muito sensível este blog, gostei pela sutileza das palavras...abração

    ResponderExcluir