sábado, 1 de maio de 2010

POESIA DE TATIANA DRUCK

A poesia muitas vezes tem sido o refúgio de alguns que, desejando sucesso e fama, a ela se lançam sem mais cuidados. Outros autores, entretanto, nela vivem um sentido indissociável da alma. É o caso da Tatiana Druck, que nos brinda com PAR E ÍMPAR, do qual alguns poemas vão a seguir. Recomendo este livro pela fina sensibilidade da autora e, principalmente, pelo tema escolhido, a relação amorosa, mistério, sempre reveladora de nossos dramas mais ternos.

DESPERTADOR
Teu beijo chupado longamente
na garagem
esta manhã
sugou minha vontade de ir embora
Deixou-me anêmica de coragem

MULTIPLICAÇÃO
Casei com meu primeiro namorado
Era único, era um, era de verdade,
tinha nome:
Marido
Milagre,
quando me separei,
parece que deixei uma multidão de entidades
E mais algum homem escondido.

DETALHE
Segura com jeito a meia-taça
Branca rendada
Entorna e bebe meu vinho santo e não me peças mais nada
Por enquanto

6 comentários:

  1. Que bela sacada esta de perceber e descrever em forma de poesia o fenônemo da multiplicação dos vários que vêm no pacote de um. O par é impar parece ser um ótimo livro.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do aperitivo, Paulo, da contemporaneidade da poesia da Tatiana. Vou procurar adquirir o livro.

    ResponderExcluir
  3. Bípede e Janaina: este é um livro para pessoas sensíveis como vocês.

    ResponderExcluir
  4. gostei. não conhecia. obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Amigos poetas blogueiros, parabéns por utilizarem a internet como forma de dividir com o mundo o seu pensar, o seu compreender, desempenhando a missão do poeta que é se afirmar como ser humano, sobretudo perante si mesmo, captar os arquétipos coletivos de sua época e princípios universais, permitindo após compreender-se ou não compreender-se, que pela sua obra os da sua época tenham referência alternativa para fazer a leitura do mundo e as gerações posteriores entenderem a própria história da humanidade. Tudo temperado pelo sonho, pela sensibilidade e pela utopia. PASSOU A ÉPOCA DE ESCREVERMOS E GUARDAR NA GAVETA NOSSAS CRIAÇÕES DEPOIS DOS MAIS PRÓXIMOS FINGIREM TER LIDO PARA NOS AGRADAR. Através do meu blog quero aprensentar-lhes a video-poesia, que usa várias linguagens de uma só feita, a serviço do texto. Se gostar divulgue e compartilhe com os seus contatos. Acessar em:

    www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir