segunda-feira, 9 de agosto de 2010

ENTORPECENTE


O que seria de mim e de ti, se não tivéssemos o ópio das palavras? Nossa companhia nos dias comuns, nas noites vazias, na vida de escassos sonhos? O que seria de mim, se não estivesse aqui, nessa agonia silenciosa, bradada nesse teclar cadenciado, exaurindo minha dor nessas linhas perdidas? Me esvazio em vãs palavras, pois lágrimas não existem mais. E agora, em uma única vez, meus olhos secos releem essas linhas mortas, que mostram a ti o que nem eu saberia dizer.

Leia também... O Passar dos Dias

3 comentários:

  1. Continuaríamos no eterno vazio de nossas vidas.

    ResponderExcluir
  2. Não sei o que eu faria sem elas... ainda não sei...

    ResponderExcluir
  3. Também não viveria bem sem esse vício.

    ResponderExcluir