segunda-feira, 7 de junho de 2010

"Lua adversa"


Tenho fases como a lua

Fases de andar escondida,

fases de vir para a rua...

Perdição da minha vida!

Perdição da vida minha!

Tenho fases de ser tua,

tenho outras de ser sozinha


Fases que vão e que vêm,

no secreto calendário

que um astrólogo arbitrário

inventou para o meu uso.


E roda a melancolia

seu interminável fuso!

Não me encontro com ninguém

(tenho fases, como a lua...)

No dia de alguém ser meu

não é dia de eu ser sua.

E, quando chegar esse dia,

o outro desapareceu...




Cecília Meireles, Rio de Janeiro (1901-1964)

3 comentários:

  1. Lindo Cirandeira. Já estou procurando mais Cecília... Obrigada!
    Com carinho,
    Sílvia

    ResponderExcluir
  2. Ah, amo esse poema da Cecília: que bom relê-lo agora!

    Beijos,
    Tãnia

    ResponderExcluir