segunda-feira, 21 de junho de 2010

Busca














Há quantos céus?
Tantos a se santificar em véus!
Já nem sei quem sobe ou desce,
Já nem sei qual a melhor veste.

Visto-me de mim,
Daquilo que me conheço,
Daquilo que desconheço em mim,
Em meio ao emaranhado-eu.

Tento solos, tento saltos;
Salto solidão, tento parcerias
Tento paixão e quero amor
Tento não guardar rancor.

Há quantos eus em mim?
Tantos quantos há de céus?
Pra qual irei? Quem serei?
Sigo por aí em busca de mim...

Obs:
Leia aqui e em meu blog Empirismo Vernacular -
http://www.eng-ivanbueno.blogspot.com

3 comentários:

  1. É assim que se busca, olhando para dentro e não para o espelho, pronto para encontrar um tímido ou muitos exibidos eus.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Helena.
    Essa busca do eu é uma busca sem fim, difícil, mas é mesmo preciso olhar pra si mesmo e não pro espelho, né?
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Lindo Ivan!
    E essas são mesmo nossas incansáveis buscas não é mesmo? Como diria a Shirlei " é humano insistir"... Que Bom!
    Beijos!
    Aline Morais Farias
    Blog: Periódico Subversivo
    http://alinemoraisfarias.blogspot.com

    ResponderExcluir