segunda-feira, 12 de julho de 2010

A Festa

Seus 70 anos estavam próximos e ela e decidiu fazer uma festa na fazenda. Foi um churrasco de arromba, com cerca de duzentos convidados. As autoridades locais e até mesmo o bispo compareceram. Como eram todas pessoas muito educadas, ela ganhou vários presentes que foram sendo depositados em um dos salões da velha casa da estância. Foram vasos de porcelana pintados a mão, baixelas de aço inox, trilhos para mesa feitos do mais delicado crochê, rosas de prata, e até mesmo uma reprodução da Santa Ceia pintada pela irmã Cecília. Ela agradecia gentilmente a cada presente, mas logo depois mencionava sem se dar conta: “Eu não tenho sorte pra ganhar presente.”.

7 comentários:

  1. muito bonitos os seus textos. bj

    ResponderExcluir
  2. Um presente traz embalado a estima que tem-se pela pessoa presenteada. Aparencias belas e de rico contorno podem tornar-se inexpressivelmente sem valor se pareadas com um sigelo botão de rosa afagado com um abraço puro e verdadeiro!

    ResponderExcluir
  3. Terráqueo, dei uma louqueada. Pensei que era uma coisa e era outra *risos*.
    BF

    ResponderExcluir
  4. Armalu,
    Obrigado pelas palavras gentis.

    Bipede,
    Compreendo, eu costumo loquear muito.

    Mariane,
    Você está cheia de razão, mas a dona daquela festa não tinha essa sensibilidade.

    Gerana,
    Muito obrigado. Fiquei muito honrado com o teu elogio.

    ResponderExcluir