quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Pronominais, de Oswald de Andrade

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro

8 comentários:

  1. Tenho um blog sobre curiosidades e gostaria de saber de você se haveria a possibilidade de você me ajudar
    colocando o link do meu blog no seu e eu faria o mesmo com o seu,meu nome é Luciano e sou Bombeiro Militar
    no Rio de Janeiro,
    parabéns pelo trabalho que vem fazendo com seu blog e fico aguardadando sua resposta

    Curiosidades
    http://centraldascuriosidade.blogspot.com/

    Tenho um blog também sobre bombeiros
    Vida de bombeiro
    http://www.heroisdavida.blogspot.com/

    Mensagens e poemas:
    Mensagens
    http://centraldoamorvirtual.blogspot.com/

    Meu time de coração,Fluminense:
    Fluzão
    http://fluzaoeterno.blogspot.com/

    Visite os meus blogs e veja se pode me ajudar colocando o link de algum deles no seu,um abração

    Caso tenha interesse entre em contato comigo pelo email lmturl@gmail.com,mandando mensagem em qualquer blog meu
    ou pelo orkut http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=ls&uid=5076013500225631247

    MSN; bombeiro_dorio@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Linguas e dialetos
    Padrões e incertos
    Maravilha deste Brasil!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Hoje até o "me" proclítico não se usa. Em compensação, bota-se um "aí" no final, quando não vem acompanhado de um "mano". "Dá um cigarro aí, mano."
    O fato é que tanto a língua culta como a coloquiam, nessa frase, fedem a cigarro.

    ResponderExcluir
  5. Onde se lê "coloquiam", leia-se coloquial. Estou com problemas datilográficos.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que como todo modernista, Oswald desejava fixar uma linguagem que realmente fosse brasileira, já que a que usamos é "Europeisada", emprestada.
    Nossa língua é portuguesa, será que havemos um dia ter nossa própria língua?

    Tupy or not Tupy, that is the question.

    ResponderExcluir
  7. Opa...sou o Alexandre do Cárcere do Ser, esqueci de agradecer por dividir o poema do Oswald.
    Belíssima escolha, abraço.

    http://carceredoser.blogspot.com

    ResponderExcluir