terça-feira, 9 de outubro de 2012

Das pedras



De Cora Coralina:

Ajuntei todas as pedras
que vieram sobre mim.
Levantei uma escada muito alta
e no alto subi.
Teci um tapete floreado
e no sonho me perdi.

Uma estrada,
um leito,
uma casa,
um companheiro.
Tudo de pedra.

Entre pedras
cresceu a minha poesia.
Minha vida...
Quebrando pedras
e plantando flores.

Entre pedras que me esmagavam
levantei a pedra rude
dos meus versos.

14 comentários:

  1. Nossa linda e delicada Cora Coralina.
    Esse poema é quase uma autobiografia: nos mostra muito bem sua trajetória de poeta, de mulher batalhadora, de mulher forte que conseguiu transformar suas pedras em canteiros de rosas! Raras rosas!!!

    Lê, o blog está lindo! Amei a imagem do cabeçalho!!! Tô de volta, ainda capengando um pouco, mas de volta...

    beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ci, fico muito feliz com o seu retorno.
      Esse blog sem você não é o mesmo.
      A imagem de cabeçalho salvei do mural de alguém no facebook. Talvez da minha irmã.
      Ela me inspira pra desenhar uma bípede.
      E o poema trouxe porque o Gustavo, meu colega escritor, aquele que te enviei o Homem Despedaçado, colocou no meu mural do face um dia e me disse que achava que ela e eu temos semelhanças.
      Beijoss :)

      Excluir
    2. Lê, você é tão carinhosa, tão amável que fico toda derretida, e capengando então aí é que me desmancho mais!
      E eu concordo com o Gustavo, você consegue transformar pedras em nuvens!!!
      Obrigada pelas palavras, mas continuo afirmando que esse blog somos todos nós!

      beijo grande!

      Excluir
    3. Ci,
      E você?
      Você é uma ciranda de afeto, Ci!
      Uma ciranda feita com generosas mãos.

      Beijossss

      Excluir
  2. Respostas
    1. Assis, estou encantada por ela.
      Completamente.
      Completamente!
      Beijoss :)

      Excluir
  3. Fortíssima essa penúltima estrofe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred, também acho absoluta!
      Minha favorita.
      Beijoss :)

      Excluir
  4. Esta Cora não morre nunca. Eternizou-se como a criança-senhora. E das pedras, bem...eu sonho que todas são seres encantados, e andarão e falarão e contarão um dia como é que é silenciar, como é ficar inerte.

    Beijos, Lelena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tania, estou tão encantada com ela.
      Comprei uma antologia e leio feito uma desesperada. Coisa que sou em certo sentido rsrs
      Beijoss :)

      Excluir
  5. Respostas
    1. Também acho linda essa imagem.
      Ela é quase uma mulher nuvem. Tem leveza, movimento e densidade.
      Beijoss

      Excluir
  6. Cora... para mim uma das maiores poetisas desse país.. uma mulher simples que transformava as amarguras da sua vida em doces e poesias...uma mulher acima de tudo sabia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou encantada por ela.
      Profundamente.
      Que lindo nome o seu Arco-íris de Frida!
      Muito.

      Excluir