quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Cordas



Nas cordas do silêncio,
 escorrem
os pingos,
as nuvens
e os desejos
dos meus dedos.


9 comentários:

  1. LINDO DEMAIS!

    Poema e música afinadíssimos!

    Parabéns!
    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Que a tua poesia continue a escorrer dessas cordas silenciosas e tão musicais...!
    Tão bonita, essa valsa!

    beijosss

    ResponderExcluir
  3. Um diálogo intimista.

    ResponderExcluir
  4. Em meio a tragédia que virou a MPB brasileira, dominada por Funks, xororós desesperados e animadoras de torcida berrando "vamo lá minha gente", surge um talentoso compositor no cenário nacional. Belíssima essa valsa composta pelo Guilherme Falcão.

    P.s: Linda poesia.

    ResponderExcluir
  5. belíssimo lelena como as cordas desse ótimo violonista.

    beijos daqui

    ResponderExcluir
  6. Duplo prazer ler o seu poema embalado por essa beleza de música.

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Versos musicais.
    Gostei do teu espaço.
    Passo a seguí-la.
    Bjosss...

    ResponderExcluir
  8. E nossos dedos coçam, para escrever, para tocar, para acariciar... e muitas vezes, só alcançamos o silêncio.

    Beijos,

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir