quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Da série a mulher do meu avesso



I

A mulher do meu avesso
guarda sílabas
para fazer, dos fonemas
e dos acentos, os
sotaques dos
meus silêncios.

II

A mulher do meu avesso
repete letras como se fossem
elas sementes
e faz, da sombra dos verbos,
um abrigo para a rocha
e um leito para
o que sente.


III


A mulher do meu avesso
lima a ausência das palavras
e visita a vida que
mal cabe entre os 
dedos e formas
esculpidas 
em pedras sem pesos.

5 comentários:

  1. [reconstruída da sombra

    a forma da letra ganha um corpo, reedificado]

    um imenso abraço,

    Lb

    ResponderExcluir
  2. Estamos a festejar o nosso 3º aniversário e muito gostaríamos de poder contar com a tua presença no nosso Farol.

    Pega uma fatia de bolo e uma taça de champanhe e brinda connosco a muitos mais anos de boa e sã Amizade.

    Beijinhos e abraços amigos de

    Argos, Tétis e Poseidón

    Um Farol chamado Amizade

    ResponderExcluir
  3. MARAVILHOSO!

    Nós e nosso avesso!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Bípede que maravilha! existirá o nosso avesso contestando nossas ações e pensameno em outra dimensão? tem gente que diz que sim e tem poeta que sabe da complementação dos opostos ;) beijos

    ResponderExcluir