quarta-feira, 30 de maio de 2012

poemeto

foto: Misha Godin


Não há o que temer
nem aplaudir.


O que somos é só
este fremir.

Parte de mim é bela.
Parte é aquela
vontade de fugir.

Antonio Brasileiro, poeta e artista plástico baiano, de Orobó.


9 comentários:

  1. *
    Zélia
    ,
    a vontade de fugir,
    é a minha ideia . . . fixa !
    ,
    conchinhas fugidias,
    deixo,
    *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estás "fugindo", poeta?
      Quem é Zélia?

      °-°

      Excluir
  2. Dinate o que fatalmente nos espera, é natural a vontade de fugir.
    E o poemeto é perfeito (quase rimou).

    Abraço, Antônio Brasileiro.

    ResponderExcluir
  3. A parte bela sempre há de permanecer, haja quanta fuga houver.

    ResponderExcluir
  4. Grande Antônio Brasileiro, Ci...Hoje eu faria de uma duas partes, porque parte de mim é vontade de fugir, e a outra...também! rs
    Beijos,

    ResponderExcluir
  5. Sim. Somos breves. Uma frase escrita n'água, com maior ou menor marola.




    Um beijo, Cirandeira.

    ResponderExcluir
  6. Somos todos belos e fugidios:fremindo, aplaudindo, e temerosos!

    Beijos a todos!!!

    ResponderExcluir
  7. essa vontade de fugir vive eternamente em mim, obrigada por o lembrares

    beijinho

    ResponderExcluir