terça-feira, 28 de agosto de 2012

Da série no silêncio das cores II


8 comentários:

  1. gosto muito do teu traço, vislumbro vitrais vitais


    beijooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitrais vitais!
      Gostei, Assis. Definiu tão bem as bípedes.
      Você tem tanta inspiração.
      Obrigada.
      beijoss

      Excluir
  2. Amo os traços da Lelena. Proteto-me nesses corpos em mosaicos.
    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tania, no mosaico do corpo, sobrevivem a mulher, a menina e as feridas...
      Oh, vida.
      beijoss

      Excluir
  3. é tão bom vê-la desenhando novamente, lelena.
    de dentro dessa sua caixinha metálica de caran d'ache ainda sairão muitos novos matizes, muitas figuras cheias de vida, muita emoção.
    a arte exorcisa e liberta.
    produziir arte em qualquer de suas formas é um modo de pacificação.
    como disse o seu conterrâneo vitor ramil numa canção, a paz do indivíduo é a paz do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pessoa,
      a arte exorcisa e liberta, sim.
      e, no desenho, pelo menos pra mim, pacifica.
      beijoss
      ps. o Ramil nos condenou então. que pena.

      Excluir
  4. No silêncio das cores o brilho da tua vigília em cada traço revelado pela tuas mãos.
    bjss,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Carlos, que frase mais bonita!!!
      Obrigada :)
      Beijoss

      Excluir