sexta-feira, 17 de agosto de 2012

As nuvens


As nuvens são cabelos
crescendo como rios;
são os gestos brancos da cantora muda;
são estátuas em voo
à beira de um mar;
a fauna e a flora leves
de países ao vento;
são o olho pintado
escorrendo imóvel;
e a mulher que se debruça
nas varandas do sono;
são a morte(a espera da)atrás dos olhos fechados;
a medicina branca!
Nossos dias brancos.
João Cabral de Melo Neto

12 comentários:

  1. Ci,
    De que livro dele é?

    Adorei :)

    As nuvens são!!!

    Beijosss

    ResponderExcluir
  2. Esse poema tá no livro "O Engenheiro", publicado pela primeira vez em 1945, se não me engano :)
    Eu gosto demais dos poemas dele!

    beijoss

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Ó "mar e brisa do prazer de aprender", que sugestivo o nome de seu blog! Obrigada pelas "saudades" :)

      bjs

      Excluir
  4. Grande Cabral de Melo Neto, amiga Cira.
    Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Dilmar, que tenhamos um lindo final de semana!

      um abraço procê

      Excluir
  5. mais nuvem que isso só a Lelena,



    bj

    ResponderExcluir
  6. Pois é, Assis, os poetas gostam muito de nuvens, não é?


    bj

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia esse poema de Cabral, é incrível!

    Beijo por ele.

    ResponderExcluir