sábado, 17 de março de 2012

Canção de outono



As pulsações
Dos violões
Outonais

Fazem o ser
Esmorecer,
Sempre iguais

E todo arfando
Pálido, quando
Soa a hora,
Minh'alma invade
Velha saudade
E após chora.

Se eu assim vago,
Vento pressago
Me transporta ao-deus-dará,
Semelhante à
Folha morta.



Paul Verlaine, França (1844-1896)

13 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada pela visita, teca.
      Seja bem-vinda!!

      Beijo

      Excluir
  2. "semelhante a folha morta" [bela imagem se forma junto ao "deus dará") como um ser em abandono. Triste, mas real!

    Parabéns, Ci!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tão realíssimo, Mirze. E triste, e cruel!

      Beijos

      Excluir
  3. As pulsações
    Dos violões
    Outonais
    [...]


    Tudo bem que é traduzido. Mas, mesmo em tradução, já é um acorde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, "ao pé da letra" seria:longos soluços do violão -
      que também é "um acorde", como disseste.(Les sanglots longs des violons...)

      beijo

      Excluir
    2. Esses franceses melodiosos ficam bons mesmo quando traduzidos por outros caras com sensibilidade. Canção puxa canção.

      Excluir
  4. há sempre essa metade vaga, que vagueia pelas estações...
    oras outono, oras verões...

    beijoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos sempre mudando de estações sem nos apercebermos,
      não é, Solange?

      beijooo

      Excluir
  5. Nada mais somos do que metades vagas, vagando por aí, entre as estações!
    Todos os poetas malditos tinham esse pessimismo sobre a vida!

    Bjusssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez os "poetas malditos" fossem apenas realistas, não?

      Bjusss

      Excluir
  6. E é a estação que mais aprecio, não há céu mais belo.

    Como você pode ver, já posso postar os comentários!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Que ótimo, Marcantonio! Então "apareça" mais vezes: aqui e "lá em casa", viu?

    beijo

    ResponderExcluir