quinta-feira, 15 de março de 2012

Por um fio



a faca

o fio afiado

água-lâmina

mãos que amolam

a navalha acariciam

cortando entranhas

carne viva em agonia


a morte em sépia

arrastada pela dor

espreita da janela

o olhar que cai

sobre um passado

de sombras recicladas

19 comentários:

  1. Sempre senti o fio dessa água-lâmina e não sabia dizer porque não sabia nomear. Oh, poeta danada de inteligente e talentosa você é!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabes nomear muito e lindasmente tudo o que escreves!
      Estou apenas e tão somente tentando espraiar essa água
      que me afoga, e que às vezes quase me sufoca:preciso aprender a nadar :)

      beijosss

      Excluir
  2. Texto fluido como [afiado] fio d'água.


    Dor é brecha: "nascente" de narrativas. Feridas podem ser janelas: vê-se através, por meio delas. O tom amarelado-esmaecido [ou nem tão esmaecido, vivo-em-memória], lembra as velhas fotografias: tempo reciclado. Reciclagem das so(m)bras.






    Um beijo, Cirandeira.

    ResponderExcluir
  3. Leitura afiadíssima!, a tua, Marcelo. Fiz uma re-leitura do que
    escreví! Obrigada.

    um beijo pra ti

    ResponderExcluir
  4. No fio da navalha e em tons de sépia vivemos todos... algum dia!

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Fernanda.
      Obrigada pelo comentário.

      beijo

      Excluir
  5. Muito bom, mesmo muito bom. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vindo, ZEKARLOS, e obrigada, mesmo!, pelo comentário.

      um abraço

      Excluir
  6. Um espetáculo seguido de outro. Arte da Ci, e a interpretação do Marcelo Novaes.

    Um show

    Parabéns, Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mirze, como és gentil e generosa!
      "Show" é o que nos tens apresentado por aqui!
      Obrigada pelo comentário.

      beijosss

      Excluir
  7. Lelena, eu também fico emocionada. Acho que vou ficar sempre lendo a Ci, porque ela já me emocionava antes, pela sensibilidade rara, grande e pela poeta que estava ali, sempre e sempre, silenciosa, mas de algum modo falante. Eu a leio (viu, Ci) e fico saltitante...rs...porque terei agora mais um poeta que sabe alcançar meus compartimentos mais reservados. Beijos, sou tua fã!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Taninha, Taninha, olha que vou acabar acreditando...:)

      um beijo, querida!

      Excluir
  8. Buenas tardes Cirandeira ! Esta una bella fotographia ! me gusta el texto ! Mucho poétique !!

    Good night !

    A song from my last CD for you : http://soundcloud.com/jerryox/ton-sextoy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas tardes, Jerry! Quel joie, ça fait long temps que
      tu as disparu :)
      Merci pour la visite et la musique, je suis très contente!

      Good night for you too!

      Excluir
  9. como gostava de ter sido eu a escrever este texto

    Beijinho
    LauraAlberto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, obrigada, viu?
      Me identifico demais com o que escreves, quem dera eu
      pudesse fazer o mesmo...!!!

      beijosss

      Excluir
  10. Adoramos o seu blog,é maravilhoso e sempre estamos por aqui olhando todas as novidades
    Desejamos a vc uma ótima sexta feira.
    Beijos da Glorinha.
    Estamos com a campanha Google +1,contamos com sua colaboração.
    http://sbrincos.blogspot.com

    ResponderExcluir