sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O homem do violão azul



Homem curvado sobre violão,

Como se fosse foice. Dia verde.

Disseram: "É azul o teu violão,

Não tocas as coisas tais como são."

E o homem disse: "As coisas tais como são

Se modificam sobre o violão."

E eles disseram: "Toca uma canção

Que esteja além de nós, mas que seja nós,

No violão azul, toca a canção

Das coisas justamente como são."


Não sei fechar um mundo bem redondo.

Ainda que o remende como sei

E chegue quase ao homem que não cantei.

Canto heróis de grandes olhos, barbas

De bronze, mas homem jamais cantei.

Ainda que o remende como sei

E chegue quase ao homem que não cantei.


Mas se cantar só quase ao homem

Não chega às coisas tais como são,

Então que seja só o cantar azul

De um homem que toca violão.


Wallace Stevens, Pensilvânia(EUA) - 1879-1955

Tradução de Paulo Henrique Britto

Imagem: "La tristesse du roi", de Henri Matisse.

5 comentários:

  1. Bela junção do texto coma obra Fauvista de Matisse.

    Um belo olhar sobre a arte.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Um homem e um violão são a perdição! :)
    beijoss

    ResponderExcluir
  3. É só "o cantar azul de um homem que toca violão"! :)

    beijos

    ResponderExcluir
  4. que delíciosa imagem poética!

    ResponderExcluir