terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Jorge de Lima


  ETERNIDADE


                                      ELE   REVIU-SE:
                                      não era mais
                                      nem corpo
                                      nem sombra
                                      nem escombros.

                                      Como foi isso?
                                      Tudo irreal:
                                      um barco
                                      sem mar
                                      a boiar.                                    

                                      Ele sentiu-se:
                                      recomeçava.
                                      Vivera
                                      morrendo
                                      numa estrela.

                                      Ele despiu-se
                                      de quê
                                      De tudo
                                      que amara.
                                      Surdo-mudo
                                      cegara.
                                      Agora vê.  

8 comentários:

  1. Reve-se... para além do corpo!
    A eternidade de uma alma!
    Lindo!

    um anjo

    ResponderExcluir
  2. Sabe que o primeiro livro "adulto" que li foi a Vida de Francisco de Assis do Jorge de Lima, aos oito anos de idade? Grande poeta.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcantonio

      Estou em uma fase de enorme encantamento pelo JL.
      Eu quase não o conhecia.
      É moderno, ácido, sensível.
      E muito muito realista e inteligente.

      beijoss

      ps. Começou bem! :)

      Excluir