segunda-feira, 19 de novembro de 2012

As palavras


 

 
 

São como um cristal, as palavras.
Algumas um punhal, um incêndio.
Outras, orvalho apenas.
Secretas vêm, cheias de memória. inseguras, navegam;
barcos ou beijos, as águas estremecem.
Desamparadas, inocentes, leves
  Tecidas são de luz e são a noite
E mesmo pálidas, verdes paraísos lembram ainda
Quem as escuta?
Quem as recolhe assim, nas suas conchas puras?
 
 
 
Eugênio de Andrade

9 comentários:

  1. ah, as palavras.
    seus sins, seus nãos.
    seus senões.

    ResponderExcluir
  2. Eu guardo as palavras como se fossem vivas, mas às vezes acho que confio demais nelas...

    beijos, Ci!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Palavra viva, precisa viver solta rsrs :)

      beijo, Lê

      Excluir
  3. Tão frágeis e capazes de derrubar um mundo...

    Beijos, Ci...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tão fortes e capazes também de erguer um mundo...!

      beijos, Tânia

      Excluir
  4. será o meio-termo da palavra aquilo que mora nas entrelinhas?
    respondam-me, caso saibam a resposta.

    escrevam - com estas e outras palavras - um tratado.

    um cumprido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há pessoas que conseguem brincar com as palavras de uma
      forma tão sutil, que a ironia fica escondida entre as linhas, sub-rep-ti-ci-a-men-te..., não é, Pessoa?
      Um dia, quem sabe, escreverei um tratado bem comprido
      tratando desse assunto rsrsrsr e gargalhadas!!!

      :) beijo

      Excluir
  5. As palavras. Do seu imbricamento nasce o poema.
    Eugénio de Andrade reflete sobre o processo de construção do texto.
    Aqui, especificamente, do poema, que não se faz sem os leitores.
    São os que vão abrir "as conchas".
    Belissima escolha!
    beijo,

    ResponderExcluir