quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012



Quedamos sempre sozinhos
Em nossas horas maiores

A dor, veneno latente,
Corrói-nos a alma em segredo.

A mais gloriosa alegria
Floresce na solidão.

Helena Kolody, poeta paranaense, (Cruz Machado) - 1912-2004
Em: Correnteza

3 comentários:

  1. Ah, sabia que a postagem era sua, Ci...e já me entusiasmo a descobrir algo ou alguém para ler! E você traz sempre gente boa. Poeta paranaense, gostei.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Para alguns [e há muitos que, freneticamente, se entretêm para fugir do tédio], o chão é longo até a solidão fecunda.




    Um beijo à cirandeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Marcelo: solidão fecunda!

      um beijo

      Excluir