quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012



A poesia é pungente
É perigo a poesia
Ela nos mata e consome
Ela aumenta a nossa fome
Desperta a filosofia
A poesia é oração
A oração é uma prece
De quando minh'alma desce
Para o mundo a desvendar
O silêncio deste amor
O canto daquele sanhaço
O sangue que virou vinho
O corpo que virou pão
A florada do meu laço
A vida no lento compasso
Do teu cavalo tordilho
Deixou meu corpo em bagaço
E minha alma um sertão.

*****

E quando alí retornarmos
Verás que nunca nos fomos
Pois o lugar onde estamos
O lugar onde estaremos
É sempre o lugar que somos.

Ana Miranda, Fortaleza(CE), em Prece a uma aldeia perdida.

2 comentários:

  1. Beleza de poema, ANA!

    Parabéns!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Um poema realmente muito bonito, Ana...Belo mesmo, Ci...
    Beijos,

    ResponderExcluir