quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Primeira Chuva



O choro
nu
lê na água
a primeira chuva
de suas
palavras
e recolhe
da solidão
o pólen
derramado
sobre o silêncio
despedaçado.

9 comentários:

  1. O calar
    chilreia
    enche-se na quietude
    de silêncio
    sem palavras
    sem levar
    em conta
    todos os
    ventos
    que partem
    em diversas
    direções,
    até na sua
    para que
    continue
    sempre
    a escrever.

    excelente Bípede, excelente... grato pelas tuas palavras....

    ResponderExcluir
  2. É...andas lendo as almas...


    Abraço

    ResponderExcluir
  3. LINDO DEMAIS!

    Emocionei-me. Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Mirze, obrigada :) Fico contente que você se emocione.
    beijoss

    ResponderExcluir
  5. João Carlos, que comentário bonito :) Obrigada também!
    beijoss

    ResponderExcluir
  6. Lindo, como sempre, aliás! Beijos :)

    ResponderExcluir
  7. Lucia, obrigada :) Li o poema do seu quadro no seu post lá no seu blog agorinha e ainda estou sob o efeito arrasador que ele tem!
    beijoss

    ResponderExcluir