sexta-feira, 28 de junho de 2013

Da série Infâncias


Na desordem das palavras
fica algo para trás
e aquém das mãos frias
aquecidas em uma xícara de chá.
No silêncio da desordem
é preciso sentir o frio e
os insetos da infância.
que  desconstruíram o jardim.

16 comentários:

  1. alguns trazem no coração novas pétalas...

    beijo carinhoso, Lelena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Domingos, que comentário perfumado :)
      beijo carinhoso!

      Excluir
  2. os cheiros da infância não saem da gente!!

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. as pétalas, infelizmente, caem.
      mas restam os cheiros para nos manter no rumo :)
      beijos

      Excluir
  3. Muito bom! Um abraço. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Sonhar é mergulhar no tempo: futuro, presente, passado...
    Muito bom...

    Bjs e borboleteios...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada :)
      sonhar é o segundo verbo mais bonito!
      beijos

      Excluir
  5. a desordem é uma forma de encontrar-se


    beijooo

    ResponderExcluir
  6. Uma memória de aromas sensoriais, sempre tocante e sincera!

    bjos, poeta!

    ResponderExcluir
  7. Sempre sincera e tocante, a infância faz a memória flutuar por todos os sentidos, no seu caso mais de seis!

    bjos poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. me passou pela cabeça agora escrever algo sobre o "contador de sentidos"!
      beijoss :)

      Excluir
  8. *
    *
    Bateram à minha porta em 6 de agosto,
    aí não havia ninguém
    e ninguém entrou, sentou-se numa cadeira
    e transcorreu comigo, ninguém.

    Nunca me esquecerei daquela ausência
    que entrava como Pedro por sua causa
    e me satisfazia com o não ser,
    com um vazio aberto a tudo.

    Ninguém me interrogou sem dizer nada
    e contestei sem ver e sem falar.

    Que entrevista espaçosa e especial!

    Pablo Neruda (Últimos Poemas)

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir