segunda-feira, 11 de junho de 2012

Estou pobre


Estou pobre.
Tardes serão sempre possíveis.
Amarei lavradores, garimpeiros?
Os versos estão secando no pé
E uma gravidez, sem filhos, provoca-me enjoos, solidões.
Estou grávida demais para o tamanho da folha em branco,
Para todas as penitências que virão com o novo parto,
Para os navios que cruzarão meus horizontes - sempre ávidos,
Para o meu lado obscuro, latinizado,
Sempre buscando pistas dos etruscos,
Dos bascos, das penísulas, dos bárbaros, do Lácio,
De onde veio minha língua arguta, minha palavra eva.
A tarde passa e uma voz emudece:
Será perdida no vácuo habitável do entendimento.
Adiante o sol, poeira do dia, o lixo de cada casa,
A varanda que desaparece na quermesse urbana.
Estou pobre de esperas.
Os cofrinhos de porcos alegres e as casinhas da poupança
Ficaram na infância e serviram pra nada.
Sou dada à poesia e desaprendí qualquer lição de sucesso,
Veja minhas economias:
Penso nos adjetivos, nos mestres, nas vírgulas,
Guardo vocábulos arcaicos pra uso futuro,
Escolho novas cascas para o meu eu sáfico,
E a única safra que espero é a poética.
A garrafa não veio com o mar, por isso morro: náufraga.
Perdí um dente essencial ao meu sorriso,
Por isso não rio mais, não faço de simpatias pra mais ninguém,
Não demonstro satisfações, nem lamentos,
Nem ironias tenho mais, nem boca exibo.
Faço sorriso somente por dentro,
Quando filho novo nasce, enche a folha, mexe por dentro,
Sacode tempestade e eu, pobre, viro dona de palácios,
E fico toda avigorada.
Rita Santana, em Tratado das veias - Poesia - Coleção Selo Letras da Bahia, 2006.
Também tem publicados, Tramela (contos) e Mão Cheia, uma coletânea de contos e poemas onde participam mais quatro mulheres baianas.
É editora do blog http://barcacas.blogspot.com

4 comentários:

  1. que talentosa Rita :)
    Perfumada, acolhedora, honesta e dolorida.
    muito bonito, Ci.
    beijoss

    ResponderExcluir
  2. Lindo e doloroso, esse poema.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei toda besta, toda emocionada, toda feliz! Grata, Cirandeira e amigos leitores. beijos!

    ResponderExcluir