domingo, 27 de fevereiro de 2011

SELVAGERIA

Amigos, eu escapei deste acidente abaixo no Youtube porque no dia do movimento não pude ir.
É difícil acreditar que alguém possa fazer uma coisa dessas.

SELVAGERIA JA Motorista atropela grupo de ciclistas em Porto Alegre massa critica...

Mania de deus


                                       Bebe o café quente sentada no sofá com os pés sobre a mesa de centro, os mesmos pés que tropeçaram na escada e desentortaram a sua visão de mundo até então descalça e macia como os pés de um bebê, ela que via em um par de sapatilhas o acetinado falso de um  rosa perfeito em outras meninas mais suaves mas menos decididas, talvez de modos mais impecáveis e cabelos mais alinhados que os seus, que sobre a sua cabeça passeava sempre um vento quando não um ventania, ventania explícita de seus tantos eus, mosaicos de seu inteiro um, um inteiro sem fé nos assuntos de fé, plenamente, convicto da presença maciça de suas artimanhas, convicto do horror camuflado de rezas, da preguiça e dos egocentrismos camuflados de rezas, orações em nome de um e outro santo, de santas mães e santas mulheres, uma santa ceia de santas, muitas, inúmeras, incontáveis santas feridas, iludidas e perdidas em nome de alguém incompetente e com eterna mania de deus.

Salvo-me de mim mesmo


Salvo-me de mim mesmo

Perco-me dentro de mim,
Como em rios,
meu sangue me leva por veias
que me despejam pela boca.
Não, não sou levado ao coração,
Posto que este, o sou.
Punido pelos meus desejos pecaminosos,
Me encolho num ato de arrependimento
e culpa.
A Deus, clamo.
E a cruz é meu castigo, e minha punição.
Mas não a quero, não sou capaz de encará-la.
Fúria,Angústia e Vergonha,
me absorvem e me batem na face,
A outra?
Jamais, posto que não a tenho.
Pois perdi na ilusão de Te encontrar,
Me perdi e junto comigo, minha face.
Represento a escória para teus filhos
que me chamam de irmão,
mas um vizinho padece ao chão,
-Bastardo!
A irmã do mal me acolhe,
-Aceito,
Gritos, Gargalhadas, Loucura,
Tão bela e contraditória!
Em posição fetal adormeço e
sonho que tudo é Realidade.
Salvo-me de mim mesmo,
dos meus desejos,
dos meus medos,
das minhas descrenças,
das minhas loucuras,
da minha singular-mente.

Alexandre Pedro
03,Out-2010.

Fotografia: Alexandre Pedro

***Este poema tem seus DIREITOS AUTORAIS registrados na Biblioteca Nacional. Reprodução somente possível com pré autorização do autor, Alexandre N. Pedro.
http://www.bn.br/portal/index.jsp?plugin=FbnBuscaEDA&radio=CpfCnpj&codPer=15918944842

Diálogo de elevador



Entram dois casais jovens. A moça que está à minha esquerda se dirige à amiga: você quer que eu conte? Tem certeza? Você vai chorar...

- O que foi? Conta.

- Sabe o que foi? Rebeca matou Bruce (os olhos começam a marejar)...

Nessa altura meu interesse pela história aumenta muito e eu nem olho para minha filha ao meu lado.

- Mas como isso aconteceu?

- Rebeca estava com os filhotes, ela é grande, uma labrador e Bruce chegou perto para brincar com eles. Bruce, bem pequeno, ao tentar morder de brincadeira os filhotes, foi mordido de verdade por ela na cabeça e morreu...

O namorado reclama, solidário: não vai começar a chorar não, né?

A moça dos olhos marejados responde: não, não vou chorar...

A amiga aí solta essa pérola, dirigindo-se ao próprio namorado: eu já disse a eles que não podem ter bichos em casa, todos morrem... E começa a desfiar as história dos bichos da amiga que tiveram finais trágicos.

A porta do elevador se abre, os quatro saem e só então eu e minha filha nos olhamos e caímos na risada. Ela fala: fiquei com medo quando ela disse que Rebeca tinha matado Bruce, pensei que fosse gente, eu já tava querendo sair correndo do elevador, ai meu Deus!

E haja risadas e comentários sobre a história do pobre Bruce... que Deus o tenha!

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Definições definitivas...


Definitivamente, o governo português quer acabar até com a nossa luz no fim do túnel.

Da arte das nuvens II


                                                Lá onde se guarda a chuva que nunca cai, recolhem-se as saudades hidratadas com o sorriso das nuvens, fronteira e regresso da ternura transparente das viagens não adormecidas em  branco dentro das minhas palavras.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011


Não sou ninguém! Quem é você?

Ninguém - Também?

Então somos um par?

Não conte. Podem espalhar!


Emily Dickinson

Definições definitivas...


Nunca resisto a tentações, porque eu descobri que
coisas que são ruins para mim não me tentam.

Coitadinha again


         Fala sério, coitadinha, você vai mesmo colocar um vestidinho leve e sair para comer pérolas enquanto a dona concha não vem, e vai assim com esse reboladinho redondo feito um colar perdido do anel, olha que um anel pode desencadear vários senhores e com vários tamanhos de pés, pés demais até para a sua sapateira, que  você não sabe andar de pisante, que o seu lance é andar descalça, solitária e sem barbante, oh, coitadinha.

Comemoração


A segunda maior cidade da Nova Zelândia, Christchurch, foi atingida por um terremoto no dia 22 de fevereiro. 71 pessoas morreram e centenas estão desaparecidas. Essa foto mostra a alegria da comemoração de dois homens que foram resgatados -- 24 horas depois do terremoto -- de um prédio que foi totalmente destruído.

Foto: de John Kirk Anderson - REUTERS/Christchurch Press.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Definições definitivas...


É muito perigoso ser-se sincero e estúpido ao mesmo tempo.

Sopa


                                     E esse verbo que não cicatriza e se submete, perdido no tempo, à maldade  da  sua memória e que vem delicado como se em porcelana tivesse sido servido antes de cair em pedaços pelos vãos da sua essência, transbordado de faltas e estrangeiro no desenho de cada letra, nàufrago e falível pelo sangue que escapa da sua boca?

sábado, 19 de fevereiro de 2011

King George VI september 1939



[o discurso real, reproduzido no filme]

Definições definitivas...


Igorância é dar um murro num espelho só porque ele te olhou com uma cara feia!

Manolo Galván, Te quise, te quiero y te querré

Pequena nota a posteriori

A pessoa é um pouco assim impulsiva.

Depois de andar por um tempo indefinido chafurdando ou fugindo das charnecas de seu ser, de repente aparece, meio do nada, e só porquê ganhou um presente, que a emocionou muito, diga-se de passagem, resolve assim intempestivamente compartilhá-lo em todos os espaços possíveis.

Então, ainda que na ordem contrária,  mas obedecendo as quase regras do Mínimo Ajuste, estou pedindo licença para entrar e deixar o presente que ganhei.

Peço licença, meus queridos, para entrar novamente em nossa casa, essa casa tão aconchegante e receptiva, tão linda e bem decorada, tão cheia de atrativos, e deixar este texto que recebi e que como que desfez uma certa maldição, não sei se definitiva ou momentaneamente.

Antecipadamente agradeço e deixo também meu grande abraço, cheio de saudades, a todos os que daqui e de outros páginas conheço e asseguro, prezo e amo muito.

Desejo, atrasadíssimo em manifestação, a todos, UM GRANDE ANO.

Marie



Presente e vida

Há mais ou menos um ano atrás....


Coisas boas e ruins acontecem na vida e na profissão.
Algumas passam desapercebidas, outras marcam de forma positiva, outras ainda de forma negativa.
Algumas nos bloqueiam, acorrentam a alma, nos fazem girar a cabeça e o coração, duvidar de tudo e principalmente de nós mesmos e de nossas escolhas e caminhos.
E outras nos premiam e impulsionam, revivem vontades....

Recebi de uma paciente e foi um presente tão bonito que resolvi compartilhar.

Um novo caminho, um novo começo, uma nova vida.

Um retornar eterno. Um reencontro.

Para os meus amigos, que apesar da minha ausência reiterada, não me esqueceram, não desistiram de mim o mesmo tanto que eu mesma.

Um doce relato.




Ô abre alas que eu quero passar...

“Navegar é preciso, viver não é preciso” Fernando Pessoa, inspirado no ditado de navegadores portugueses.




Quando recebi de sua mãe um envelope, com timbre de um laboratório, já vivíamos a expectativa da gravidez, e precisei de poucos segundos, confuso entre os +10 -30, para saber que teria um filho. E este foi o primeiro dia em que pensei no seu nascimento.

Durante 40 semanas pensei em você.

Chegou fevereiro e com ele uma bateria de escola de samba no estômago e a expectativa apoteótica da felicidade.

Como um bebê da marca “humano” é esperado entre 38 a 40 semanas, a nossa médica sentenciou:

- Se esse garotinho não nascer até amanhã teremos que fazer o parto induzido.

Começava a folia !!!, e todas as escolas de samba do Rio de Janeiro entraram sopetão na Av. Candido de Abreu!

 Parênteses um:

 Na era da ciência médica, da TV de led, do playstation 3 (se é que isso vai existir quando você puder ler este relato) sua mãe queria muito que seu parto fosse de forma natural. Sempre apoiei e confiei nas decisões de sua mãe (ela sempre escolheu pratos mais gostosos que os meus nos restaurantes), era o momento de vocês dois e ela saberia o que fazer.

Com este cenário, fomos atrás de uma médica com experiência neste assunto (a que deu a sentença acima citada), a Dra Mariane, e requisitamos a ajuda de uma doula, a querida Juraci. Quero que saiba que estas duas mulheres têm muito mérito pelo sucesso do nosso bloco.

Fim do parênteses.

Assim, dia 18/02/2010, depois da consulta, sua mãe ficou tristonha, pois queria que você viesse ao mundo de forma tranqüila, sem que tivéssemos que ajudá-lo. Tentei acalmá-la (você verá que não é fácil), dizendo que o importante era que você nascesse com segurança e saúde. Não adiantou muito. E então fomos a um shopping center fazer compras (você verá que isso funciona) para acalmar a situação.

11:00 horas da noite, depois de um passeio pela livraria do shopping, algumas dores!

Dormimos um pouco.

00:00 horas, recebo um beijo e felicitações pelo meu aniversário.

03:00 horas, são contrações mesmo! Os carros alegóricos começam a se perfilar.

04:00 horas, telefonei para a doula, que nos acalmou, era o começo das contrações, ela iria colocar a fantasia e em algumas hora estaria com a gente.

Parênteses 2:

Você deve imaginar como estávamos felizes com as contrações, sua mãe a todo tempo te chamava, dizia seu nome, eu achava aquilo lindo e fiquei bem feliz por você decidir atender a sua mãe e decidir sair de abre alas.

Fim do parenteses.

08:00 horas, a Juraci já estava com a gente, e fomos até a maternidade para os primeiros exames.

Sua mãe estava em trabalho de parto e fomos mandados para o quarto.

As horas passaram extremamente rápidas, eu sempre buscando ajudar sua mãe e tentando me ocupar com as coisas práticas do parto (comprar água, comida, assinar papéis, reclamar de algo), e claro abraçar muito sua mãe, chorar muito com ela, e dar todo o meu carinho naquele momento em que é tudo o que a gente precisa.

11:30 horas, a Dra. Mariane chega no quarto, examina sua mãe e sentencia:

- Está tudo indo maravilhosamente bem, 5 de dilatação, precisamos de 10.

Bem, aqui é que o bloco começa realmente a empolgar, é dado o início do desfile, que ao contrário do burocrático carnaval da Sapucaí, não tem hora limite para atravessar a linha final.

Agora meu relato já fica sem a constatação da hora, estava sem relógio, e mesmo que estivesse não saberia guardá-las.

As dores começam a ficar cada vez mais fortes (as contrações boas, que fazem bebês nascer são as fortes, então não podíamos reclamar), andamos pelos corredores da maternidade, sua mãe fez exercícios para abrir a bacia, tomou banho de água quente para aliviar as dores, recebeu massagem, abraços, beijos, estávamos já muito envolvidos.

 Comecei a ver no rosto de sua mãe que o cansaço e as dores a levavam para um mundo distante. Neste momento fiquei muito emocionado, desesperado e feliz. Enfim, não sei bem ao certo como fiquei, mas este sentimento tresloucado foi me acompanhando até o fim.
O nascimento de um filho é uma coisa descomunal.

Por mais preparado e avisado que eu estivesse para ficar no quarto acompanhando e ajudando a sua mãe, foi naquele momento que eu quase desisti. Olhar a expressão dela de exaustão, de dor, parecendo que iria morrer, foi de me encher de medo, de pavor. Somando-se a isto, saber que você estava dentro dela e que você também estava envolto naquele turbilhão é de botar qualquer pai na lona.

Mas eu respirei fundo, saí um pouco do quarto, e não demorei a voltar, pois sabia que aquele momento era único, que você e sua mãe precisavam de mim.

Nossa existência talvez seja marcada por muito poucas emoções realmente envolventes (quando você vivenciá-las vai saber quando estiver frente à elas). O nascimento é um milagre (não um milagre religioso, mas um acontecimento que por seu tamanho nos mostra o quanto somos pequenos perto da maravilha, do extraordinário e da grandiosidade da vida). Na nossa pobre condição de seres humanos estamos relegados a um plano em que os milagres são escassos. Não nascemos de um corte da coxa de Zeus, não fomos trazidos por cegonhas nem silenciosamente abrimos como a flor. Somos filhos da dor.

 O que eu presenciei no quarto 212 naquele dia 19.02.2010, quando completava 30 anos, foi um milagre.
Não foi fácil para mim ajudar sua mãe, mas isto é insignificante perto do que sua mãe fez, você deve todos os dias de vida a ela, como eu devo à minha mãe.

Bem, vamos ao milagre.

A Dra. Mariane, sempre muito calma, examina sua mãe e sentencia:

- 9 de dilatação.

Aqui sua mãe já está completamente em transe, eu tentando fazer uma cara de confiança e olhando para a expressão nos rostos da médica e da doula, o que me acalmava de certa forma, pois via que aquilo por mais maluco que fosse estava dentro do roteiro. Lembro até que a Dra. Mariane, solidária à minha aflição, disse que estava tudo caminhando bem, que era aquilo mesmo, que minha avó, ela e a sua mãe e mais quem quisesse ter filhos teria que vivenciar aquele momento.

Eu nunca tinha visto sua mãe com tanta força, eu nunca tinha visto ninguém com tanta força. Mas era de cortar o coração e ao mesmo tempo um sentimento de inveja por sua mãe ter tanto amor por você e coragem.

Enfim, o bloco no auge de seu desfile, bateria no recuo, o surdão ao fundo e os repiques vibrando, a platéia toda exultante na sala de espera. E ali no chão do quarto, no nosso teatro, do nosso jeitinho, teríamos no colo o filho que tanto esperávamos.
A Dra. Sentenciou:

- Guilherme, sente-se encostado na parede e segure a Ana. Eu vou pegar os instrumentos (tesouras, toalhas etc).

E lá fui eu, sentei numa bola de pilates (aquelas grandes para fazer exercícios), sua mãe sentou na minha frente num banquinho próprio para parto. Ela deitou as costas no meu colo e entrelaçamos as mãos. Os gritos lancinantes de sua mãe ecoavam por toda maternidade. Eu tentava dar toda a minha força para ela, passar toda a minha energia. Olhava para o semblante da Dra. Mariane e via que o momento era tenso. Não sei ao certo quantas contrações sua mãe teve naquele momento em que passamos agachados ali, acho que umas 6 (das fortes, que fazem os bebês nascerem).

E nada do Benjamim nascer, e sua mãe gritava por você e eu mais do que alucinado olhava para todos os cantos, via expressões de tensão, de delírio, de ternura, e fixava a vista no teto branco pedindo a todas as forças ocultas e não ocultas que tirassem você dali e que tudo acabasse como a gente sonhava.

A Dra sentenciou:

- Força Ana, se ele não sair agora teremos que ir pra sala de cirurgia e fazer a cesária. Vamos Benjamim!

 Bem, sem problemas, cesárias servem para isto, mas obviamente que fiquei com aquela pontinha de frustração, principalmente por sua mãe, que em sua simples condição de ser humano lutou tanto para realizar o seu milagre.

Mas como num jogo que se vira aos 43 min do segundo tempo, a Dra. sentenciou, como um Deus ex machina:

- Ana faça toda a força que puder e não pare de fazer força.

Meu filho, e foi neste momento que, depois de 12 horas e 41 minutos, você, às 15:45 (segundo o relógio da Dra.) rompeu na passarela do samba.

“Oi abre-alas que eu quero passar... oi abre-alas que eu quero passar...”

Colocaram você nos braços de sua mãe que de tão cansada não agüentava os seus 2,815 kg, eu estava abraçado a vocês segurando por baixo dos braços de sua mãe a minha família.

Foi ali que nossa família começou, passando por aquelas 12 horas intermináveis de desfile, entramos por um lado da avenida juntos, e saímos mais unidos do que nunca, pois foi nesta experiência que conheci como sua mãe é maravilhosa, forte, corajosa, e acima de tudo humilde para aceitar toda a nossa humanidade e passar por esta vivência extraordinária que é ter um filho, realizar a vida, impulsionar o absurdo do mundo.
Foi ali que eu chorando emocionado descobri orgulhoso que você é um herói, que todos somos heróis ao nascer. E pensei em sua avó e em como ela deve ter se emocionado comigo no colo, como para ela deve ter sido o meu nascimento um acontecimento enorme. E imaginei seu avô sorrindo comigo no colo, e na mesma data 30 anos depois, sorrindo com você no colo.

Nunca terei como agradecer sua mãe por esta experiência. Guardarei sempre com cuidado o que dizem os poetas quando escrevem que o que interessa não é o começo ou o fim da travessia, o que vale é a viagem que fazemos ao navegar o rio. (mal citado aqui mas ok. Leia melhor nos autores portugueses que são peritos em atravessar oceanos).

É claro que queríamos atravessar o enorme rio e ter você a salvo. Por isso estávamos bem auxiliados por profissionais excelentes, e pela ciência médica, caso precisássemos. Mas mais do que isto, queríamos uma viagem, uma linda e enorme viagem. E tivemos.

Você não se lembrará de nada deste episódio, e este escrito de nada te adiantará, mas com absoluta certeza você trará em seu coração as marcas deste dia, o amor de sua mãe, a beleza da humanidade, as dificuldades da vida, e a importância da sua existência.

É isto meu filho. Que isto te ajude a perceber a maravilha da humanidade, e o incomensurável abismo que há entre nós e os Deuses do Olimpo. Somos fortes e frágeis, e todas as contradições do mundo estão em nós. Espero que você viva intensamente todas as tristezas, felicidades, angústias, vitórias e derrotas que a vida vai te proporcionar, pois é isto que nos faz o que somos, matéria de poesia e sonho, seres humanos.

Eu te amo, seu pai.


      Guilherme Shibata de Souza.

Imagem: Foto e obra Tania Bllomfield

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

ÁFRICA

África explode-me diariamente no peito
Insinua-se no voo gracioso das garças
No caminhar altivo de flamingos rosa
Nas montanhas azuis riscando o céu
Ou basaltos negros aflorando a savana
Em mangas sumarentas de pintas pretas
Nos panos coloridos de mulheres jovens
Nas miragens quentes de fim de dia
Na terra vermelha sacudindo poeiras
Nos colibris e viuvinhas e zonguinhas
No serpentear preguiçoso de kamacoves
No grande vermelho mergulhando no mar
Vincando a direcção de Brasis tão próximos
Nas noites ensolaradas dos Cruzeiros
Sempre, sempre assinalando rumos sul
Nas cadências loucas de batuques nocturnos
Nas goiabas enormes derretendo sabores
Nos corpos suados de gente que se ama
Nos cacimbos esfarrapando as florestas
No olho brilhante e fixo das black mamba
Nos girassóis dançando valsas e boleros
Nos meninos gritando e correndo de alegria
Em fogueiras acendendo noites e almas
África explode-me diáriamente no peito
E eu, em cada dia morro de tanta saudade.

GED

40 anos do QUEEN


Rodrigo Carneiro

Os 40 anos de monarquia pop dos ingleses do Queen serão intensamente festejados em 2011. As compilações Greatest Hits (1981) e Greatest Hits 2 (1991), reeditadas em janeiro na Inglaterra, deram início à série de reverências. Para o mês de março está previsto o reaparecimento dos cinco primeiros álbuns do grupo formado por Freddie Mercury (voz e piano), Brian May (guitarra), Roger Taylor (bateria) e John Deacon (baixo). Retorno ao mercado em grande estilo, as edições são remasterizadas e trazem consigo sobras de estúdio, encartes de luxo e material inédito. Em pacotes de cinco em cinco, os 15 títulos da discografia da banda serão comercializados pelo selo Island (Universal), que desde o ano passado detém os direitos da EMI, responsável pelo debute em disco do Queen, em 1973.
E mais: entre os dias 25 deste mês e 12 de março, o Old Trumans Brewery, em Londres, recebe a exposição Stormtroopers in Stilettos – The Early Years. Com entrada franca, a mostra interativa documentará os cinco anos iniciais da banda, de 1971 a 1976. Quem também se manifesta nas festividades é a BBC, que produz um documentário sobre o quarteto.
Já a sétima arte se rende ao Queen de duas formas: a adaptação cinematográfica do musical We Will Rock You e um longa-metragem dedicado à vida de Freddie Mercury – vítima da aids em 1991. Prevista para estrear no primeiro semestre de 2012, a cinebiografia terá como protagonista o ator e humorista Sacha Baron Cohen (de Borat e Brüno), que, segundo afirmou o guitarrista Brian May, “está entrando no papel de uma maneira que encantaria Freddie”. Desde 2006, o ator Johnny Depp era cotado para interpretá-lo.
Todos esses eventos relacionados ao grupo se justificam. Afinal, o Queen é um dos episódios mais peculiares e de sucesso mais improvável de toda a música pop. E a figura de seu carismático vocalista, autor, a exemplo dos outros três integrantes, de vários temas poderosos, é um senhor emblema. Virginiano de 1946, Farokh Bulsara nasceu em Zanzibar (à época colônia britânica), na Tanzânia, região oriental da África. Sua educação foi regida pelos preceitos religiosos da tradição persa e pela grade curricular de uma escola inglesa perto de Bombaim, na Índia. Fugindo das tensões políticas de Zanzibar, a família Bulsara imigrou para o Reino Unido no início da década de 1960. Aos 17 anos, já com o apelido de Freddie, o futuro astro foi testemunha privilegiada da chamada invasão britânica, a ruidosa chegada dos Beatles ao mercado norte-americano e sua aparição no popular The Ed Sullivan Show, enquanto graduava-se em arte e design na Ealing Art College.
Surgido das cinzas de um grupo chamado Smile – do qual faziam parte Brian May e o baterista Roger Taylor –, o Queen foi fundado em 1970 e promoveu algumas reviravoltas inusitadas em seu trajeto musical. Do hard rock dos primeiros álbuns à incorporação de elementos do pop oitentista, passando pela declaração de amor à ópera – A Night at the Opera (1975) é a obra-prima resultante dessa paixão. Experimentos sonoros que colocavam banda e crítica em pé de guerra. “Para a imprensa, se nós fazemos rock pesado estamos imitando o Led Zeppelin, se fazemos mais dançante estamos copiando os Beach Boys. Quem pode levar esses caras a sério?”, perguntava Mercury, não raro, do alto do primeiro lugar da parada britânica.

original: AQUI

Quem de nós


                " Incorremos em vários erros, mas acho que o nosso grande equívoco, o mais irremediável, foi nunca falar sobre eles. A única fraqueza possível, aquela que possui a maioria dos casais que diariamente se insulta, amaldiçoa e desfruta por igual de suas etapas de ódio e apaziguamento, foi isso que perdemos. Eles estão constantemente atualizando a imagem do outro, sabem reciprocamente a que se ater, mas nós estamos atrasados, você em relação a mim, eu em relação a você."

Nicolás Guillén Landrián, Coffea Arábiga (1968)

Coffea Arábiga (1968) from CanalDocumental TV on Vimeo.



Nicolás Guillén Landrián, mais conhecido por Nicolasito, era sobrinho de Nicolás Guillén (1902-1989), o “poeta nacional de Cuba”, que além de ostentar essa alcunha pela reconhecida qualidade de sua obra poética, desempenhou importantes funções políticas ao longo de sua vida, como os cargos de diplomata, de presidente da Unión de Escritores y Artistas de Cuba (UNEAC).

Em sua trajetória de cerca de 10 anos no instituto (de cinema) se destacam vários documentários controversos, como En un Barrio Viejo (1963), Ociel de Toa (1965), Retornar a Baracoa (1966), Cof fea Arábiga (1968), Taller de Línea y 18 (1971), dentre outros filmes não finalizados ou que acabaram sendo exibidos de forma restrita, a públicos específicos ou em curtíssimas temporadas. Nesses documentários é possível notar algumas marcas de seu estilo individual, permeado pela influência do neo-realismo italiano e as vertentes documentais dos anos sessenta: narração carregada de subjetividade; longos silêncios entremeados a seqüências ágeis; pouquíssimos diálogos, entrevistas ou depoimentos; enquadramentos que valorizam closes e o olhar do personagem na direção do espectador; exploração de recursos de montagem (montagem de atrações); uso criativo de trilha sonora, de foto-animação e de recursos gráficos (efeitos com letras e desenhos geométricos em movimento), dentre outros elementos.


Além da questão da inadequação de seus documentários pouco convencionais, contribuiu para a gradual reprovação de Nicolasito como cineasta, pelos dirigentes, seu
comportamento anti-social, como se dizia na época: o jovem negro e robusto, em vez de
dar o exemplo como artista e intelectual revolucionário, cuja conduta deveria ser
irreprovável, bebia, usava drogas e não dispensava boemias. Assim, ao longo da década o cineasta foi acumulando acusações – políticas e morais – até ser considerado mentalmente “perturbado” e ser preso, no final dos anos sessenta, por diversionismo ideológico e outras faltas. Nicolasito ficou algum tempo internado num hospital psiquiátrico em Havana e foi obrigado a trabalhar por dois anos numa granja especial para cidadãos que apresentavam conducta impropia, à semelhança do que ocorria em campos de trabalho denominados Unidades Militares de Ayuda a la Producción (UMAPs)

.
Após ter recebido esse “tratamento” para se curar, teve permissão para regressar ao ICAIC, onde foi lhe dada uma segunda chance. Para provar que estava reabilitado, foi incumbido de fazer Coff ea Arábiga (1968) para o Departamento de Documentários Científicos Populares. Acreditamos que essa concessão obtida pela direção do ICAIC não haveria existido se não se tratasse de uma pessoa com o parentesco importante como o dele, pois era pouco comum intelectuais ou artistas que haviam “caído em desgraça”, ao terem sua imagem e sua conduta questionadas dessa maneira, serem readmitidos em suas antigas funções.



Ainda assim o documentário de Nicolasito foi rodado e aparentava ser “politicamente
correto” em sua concepção. Porém, logo nos primeiros momentos, a narração fragmentada, sua trilha sonora incomum e as rápidas intervenções em forma de animação gráfica, como um contradicurso à imagem, denunciavam a presença de uma forte dose de irreverência e ironia na abordagem pretensamente “científica”. Vale dizer que o filme é hoje considerado um dos mais insólitos feitos na Ilha, apresentando uma estética bastante original.

Mais do que tratar de “café”, das técnicas e etapas de seu cultivo, Nicolasito abordava a
sociedade cubana, o papel ininterrupto dos negros como mão de obra nas plantações, o
pouco entusiasmo da população no cumprimento obrigatório das sucessivas tarefas e
“planos” criados pelo governo, a relação das massas com o líder (Fidel) e outros temas ou críticas mais ou menos explícitos que eram inseridos na estrutura aparentemente didática do documentário.

Uma das temáticas recorrentes da obra de Nicolasito – o papel do negro, a contribuição da cultura negra afro-caribenha para a identidade cubana (tema fartamente explorado também na poesia de seu tio) – reaparecia em Cof ea Arábiga de forma alegórica: na destacada “negritude” do café, no histórico da cultura cafeeira na Ilha apresentado na parte introdutória do filme (onde se enfatiza que eram negros aqueles que plantavam o café...), em trocadilhos com a trilha sonora (como o refrão alterado, para ser “políticamente correto”, de uma famosa canção popular intitulada Mamá Inês, conhecida na voz do intérprete Bola de Nieve: “todos los negros – y todos los blancos – tomamos café”), e até num momento em que a narração anuncia que camponeses costumam comemorar a época da colheita e se vêem negros dançando e entrando em transe, como nos então prohibidos rituais afrocubanos de santería. Essas passagens traduzem uma questão cara para aquele cineasta e para os minoritários intelectuais cubanos negros: a impossibilidade, no novo regime, de se levantar discussões sobre o racismo ou sobre a identidade negra, uma vez que, segundo o discurso oficial, a Revolução já havia solucionado tais questões – os estava prestes a -, ao considerar iguais todos os cidadãos cubanos e ao instaurar, com o socialismo, total igualdade de oportunidades.


Fuente: Mariana Martins Villaça, Limites da contestação no cinema documental cubano:a trajetória de Nicolás Guillén Landrián.
Em Revista Eletrônica da Anphlac - número 6

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Definições definitivas...


Os maridos são como as crianças. São óptimos se forem de outra pessoa.

Para Não Dizer Que Não Falei de Nuvens


A moda agora é adorar as nuvens. Pois, estava eu, ontem, passeando de carro pelos campos de cima da serra, no interior gaúcho, entre Vacaria e Antônio Prado, quando tudo ficou escuro, o tempo fechou. Diante da paisagem inusitada abri a janela do carro rapidinho, equilibrando a direção com apenas uma mão e  tirei a foto acima.  Quando cheguei em casa abri e descarreguei. Ela não ficou tremida, parece até um quadro para se colocar numa parede de um living room.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Não conheço nada do país do meu amado

Wilson. Santuário. Óleo sobre tela

Não conheço nada do país do meu amado
Não sei se chove, nem sinto o cheiro das
laranjas.
Abri-lhe as portas do meu país sem perguntar nada
Não sei que tempo era
O meu coração é grande e tinha pressa
Não lhe falei do país, das colheitas, nem da seca
Deixei que ele bebesse do meu país o vinho o mel a carícia
Povoei-lhe os sonhos de asas, plantas e desejo
O meu amado não me disse nada do seu país
Deve ser um estranho país
o país do meu amado
pois não conheço ninguém que não saiba
a hora da colheita
o canto dos pássaros
o sabor da sua terra de manhã cedo
Nada me disse o meu amado
Chegou
Mora no meu país não sei por quanto tempo
É estranho que se sinta bem
e parta.
Volta com um cheiro de país diferente
Volta com os passos de quem não conhece a pressa.


(Ana Paula Ribeiro Tavares - O lago da lua)

Definições definitivas...


Nunca confie numa mulher que diz a sua verdadeira idade. Se ela diz isso é capaz de dizer qualquer coisa!

Oscar Wilde

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Peixe fora d'água


                              Eu sei. O combinado foi não escrever uma única palavra. Perguntei, lembra, se tu aceitarias um desenho caso a situação tomasse proporções trágicas. Tu disseste não, mas como sei o quanto a Frida Kahlo te fascina, pensei em vestir-me de eus e pintá-los em meu vestido sem um único tom de azul, que os meus eus errantes passam  pelos caminhos das  chamas e de figuras e por mais que me ardam, nunca me derretem, não me liquidam ou hidratam e, tu sabes, e melhor que ninguém, porque foste testemunha da minha imunidade a tua montanha e aos rios que habitavam a tua mente, tua mente repleta de segredos e fendas, hiatos perigosos demais para serem percorridos por quem não tem experiência e  balanço ou um bom par de nadadeiras, e tu sabias, jamais houve qualquer omissão, o que me faltaria, que a minha imobilidade seria acionada quando necessária, eu te disse, te avisei logo na largada que não me moveria se o vidro estivesse instável, que não trocaria meu calor  pelo teu aquário, que eu não seria outra criatura para te agradar, e  o que tu fizeste? Riste. Riste em lágrimas, duvidando-me, esbanjando com o teu deboche a água que a mim faz falta e riste até manchar o tecido das minhas escamas, riste até borrar o que me ilustra e ilumina, riste com a certeza de que eu riria também, riria de mim  e  me alimentaria mais uma vez dos teus cacos e da tua sua incansável incompreensão. Erraste, eu sei. Tu é que não  sabes e nem sabias.

Porque tem pessoas que nos dão vida


                          " Farida me dera um gosto novo de viver. Até ali me distraíra nesse estar contente sem nenhuma felicidade. Depois de Farida me tornei encontrável, em mim visível." (Mia Couto)

De Jorge Luís Borges



Sou cego, sou surdo para a música, não leio os jornais,

não tenho muita oportunidade para uma conversa,

muitos dos meus amigos estão mortos, passei toda

a vida a escrever. Que é que vou fazer, senão isso?

(...) comecei como todos os jovens escritores

pensando ser um gênio, agora resigno-me

a ser Borges.


Trecho de uma palestra ministrada na Universidade de Sorbonne, em Paris.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Um Poema*

Surge um dia claro no teu rosto,
Uma luz difusa
Que granula a tua expressão.

Não sei que pintor fizera assim
A face dum anjo,
Imune ao foco do refletor móvel
Que muda lentamente o ângulo
Das sombras faciais
Como se elas marcassem as horas
Num quadrante solar.

Acho que teus bons sentimentos
Raiaram por dentro na tua face:
Luminescência natural de aurora
Independente do sol.



* Poema da série Rostos postada no Azul Temporário



sábado, 12 de fevereiro de 2011

QUEM ME DERA

Quem me dera...
Quem me dera viver numa pequena cidade, não longe do mar, rodeada de grandes espaços… com todos os amigos e familiares por perto
Quem me dera, com eles, a qualquer momento poder e ter vontade de, conviver, comentar, desabafar, partilhar…
Quem me dera não sentir tanta saudade
Quem me dera não sentir tristeza
Quem me dera não magoar e por isso sair magoado
Quem me dera não ter a sensação de que poderia ter feito mais, melhor, de outra forma…
Quem me dera olhar o céu só pela sua beleza
Quem me dera sentir mais a terra, nela mexer, fazê-la dar vida…
Quem me dera viver num mundo, com mais tempo ou deste saber tirar melhor proveito
Quem me dera ler todos os livros que guardo para um dia… ouvir toda a música que espera por tempo…
Quem me dera escrever aquilo que sinto, quando sinto, como sinto…
Quem me dera poder alhear-me de certas coisas que me rodeiam
Quem me dera ser menos crítico, principalmente quando de tal não há necessidade
Quem me dera ter melhor feitio
Quem me dera conseguir exteriorizar aquilo que sinto, dizer àqueles que amo que os amo
Quem me dera não ser preguiçoso
Quem me dera ser melhor…
Sim, quem me dera!

fmartaneves
20110212

Definições definitivas...

Em Portugal o balão sobe, mas no Bangaladesh...

A PLACE CALLED HOME

Um ano atrás recebemos da querida BP o honroso convite para fazermos parte deste blog coletivo que estava sendo criado.

Aceitamos de pronto. Porém, a falta de tempo fez com que estivéssemos muito ausentes neste primeiro ano de vida do Mínimo Ajuste.

Eu particularmente contribui apenas com um post e participei apenas como leitor, mesmo assim não estando presente nos comentários, coisa que todos nós blogueiros adoramos.

Não sei ao certo como será este próximo ano, pois ao que parece o tempo será ainda mais escasso e até mesmo o blog "oficial" corre risco. Mas certamente continuarei pelo menos como um leitor fiel destas boas páginas.

Parabéns a todos que fizeram do Mínimo Ajuste este lugar criativo, plural, gostoso e aconchegante, como deve ser um lar, mesmo que virtual.


Sandro - Minerva Pop


PS: Abaixo deixo a PJ Harvey em vestido de festa, propício para o momento...


A Place Called Home (PJ Harvey)


One day I know
We'll find a place of hope
Just hold on to me
Just hold on to me
Walk tight, one line
You're wanted this time
There's no one to blame
Just hold on to me


And I'm right on time
And the birds keep singing
And you're right on line
And the bells keep ringing
And the battle is won
And the planes keep winging
And I'm right on time
And the girl keeps singing


One day they'll be a place for us


I walk and I wade
Through full lands and lonely
I stumble, I stumble
With you I wait
To be born again
With love comes the day
Just hold on to me


And I'm right on time
And the birds keep singing
And you're right on line
And the bells keep ringing


One day they'll be a place for us


And the battle is won
And the planes keep winging
And I'm right on time
And the girl keeps singing


One day they'll be a place for us


Now is the time
To follow through
To read the signs
Now the message sent
Let's bring it to it's final end


And I'm right on time
And the birds keep singing
And you're right on line
And the bells keep ringing
One day they'll be a place for us
And the battle is won
And the planes keep winging
And I'm right on time
And the girl keeps singing
One day they'll be a place for us


One day I Know
They'll be A place Called Home

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Father And Son - Rod Stewart

Parabéns para todos



Que o Mínimo
seja o máximo
Leve como o vento
que agita o cabelo da criança
que vai sempre em frente
cheia de graça
Movimento contínuo
em direção ao azul

Parabéns

Conheço, no Mínimo, este Ajuste,
Há cerca de um ano, esperançado…
Vai ser hoje, ninguém se assuste,
Vão ver algo meu publicado.

Parabéns por este dia
Por este ano passado
Tanto assunto quem diria
Foi neste Blogue anotado

A todos, os parabéns por este ano bem ajustado.

Não há só Tangos em Paris

...muitos anos de vida!

[parabéns querida Bípede, parabéns Mínimo Ajuste!
pela partilha...por todos os ajustes... imensos :)]

O meu vestido de festa


                    Quem me dera ter um vestido que me flutuasse pelo mundo como o da Tania, esse nosso mundo que nos prega peças e nos divide em  pedaços e nos veste mais de azul do que de terra; quem me dera ter em mim um único mapa, um único céu de nuvens e de estrelas do mar, da noite e de amigos; quem me dera ter um vestido de moça e não de boneca, de luxo ou de lixo, e que me deixasse com a cintura fina e  elegante, oh, Tania, que elegância tem o seu vestido! O meu, talvez, me empacote e me deixe sem curvas, redonda, gordinha como o globo terrestre, o nosso danado globo terrestre, nem sempre tão afetuoso e  nem sempre tão vitorioso como esse nosso outro movido a teclados e a uma incomensurável força de vontade, de zelo e de escritas.

Parabéns


MFC - Pé de meia

Em dia de aniversário... muitas flores com um grande sorriso.

É isso aí o que eu queria dizer...

.
«A criação é um ato de amor, alguma coisa que se comunica a toda a humanidade. Um artista não pode fazer nada que contribua para piorar o mundo. Acho que tenho deveres para com as pessoas com quem convivo.
(...)
As pessoas estão hoje mais rudes e agressivas do que há alguns anos. Numa rua perdida, num bairro tranquilo, onde brincam crianças, um carro passa a toda velocidade pelo simples prazer de correr ou por qualquer outro motivo, indiferente a tudo e a todos. Se ao menos estivesse apressado para chegar a algum lugar. O aprendizado é difícil, a gente tem que se reeducar para não violentar os outros e para não nos deixar violentar. Apesar de tudo, a vida pode ser agradável para quem gosta do que faz. Ali em cima daquele piano há músicas inéditas que precisam de ser trabalhadas. Se tudo correr bem, se o avião não cair, a gente grava, a gente escreve, para deixar aí para os moços, para quem quiser e puder fazer melhor no futuro.
É isso aí o que eu queria dizer.”»

António Carlos Jobim


(Fragmentos da última página do seu depoimento às Faculdades Integradas Estácio de Sá, publicado pela Editora Rio, 1982, incluídas em António Carlos Jobim, Um Homem Iluminado, Helena Jobim)
.

Martinho da Vila + Kátia Guerreiro, Dar e Receber



Feliz Aniversário, Mínimo Ajuste! Por tanto dar e receber neste fecundo ano de troca.

Os meus improvisados, mas minimamente ajustados PARABÉNS!

Um ano se passou e o mínimo aguentou
forte e expressivo voou
por horizontes imensos

Todos estão de parabéns
aqueles que aqui se encontram
A Cirandeira e a Bipede
que nos mantém no ponto

É só uma singela homenagem
feita assim num improviso
desta muito sincera amiga
 um beijo um abraço e um aviso:

Novo blog : almanuscriptum.blogspot.com

loualma.wordpress.com

Beijinhos e parabéns a todos !! bem-hajam por este ano maravilhoso

É hoje!


Meu vestido para a festa de aniversário do Mínimo Ajuste...

Da série poemas favoritos

Retrato quase apagado em que se pode ver perfeitamente nada
.
....................................I.
.
Não tenho bens de acontecimentos.
O que não sei fazer desconto nas palavras.
Entesouro frases. Por exemplo:
- Imagens são palavras que nos faltaram.
- Poesia é a ocupação da palavra pela Imagem.
- Poesia é a ocupação da Imagem pelo Ser.
Ai frases de pensar!
Pensar é uma pedreira. Estou sendo.
Me acho em petição de lata (frase encontrada no lixo).
Concluindo: há pessoas que se compõem de atos, ruídos, retratos.
Outras de palavras.
Poetas e tontos se compõem com palavras.
.
.
poema de Manoel de Barros / "O guardador de águas"
.
§
.
Parabéns à Bípede Falante, à Cirandeira, aos colaboradores e comentaristas do Mínimo Ajuste pelo aniversário do blog. / Sergio Storino

PARABÉNS

Estamos todos os que aqui colaboram de parabéns.
Este espaço multiracial, multicultural e de enorme tolerância, tem sido ponto de encontro de múltiplas nacionalidades e pontos de vista.
Pessoalmente andei meio mundo e uma vida para aqui chegar.
Aqui, finalmente consegui sentar-me à volta da fogueira, em paz, vendo o fogo crepitar e ouvindo as histórias que se contam.
Aqui aprendi algumas coisas que desconhecia.
Aprendi o voo oblíquo do condor.
Aprendi que o Aconcágua está ali ao alcance da minha mão e que basta eu querer para que tudo seja possível.
Risquei palavras do meu dicionário algo limitado, principalmente risquei a palavra impossível. Acrescentei-lhe outras. Tolerância é uma delas.
Cir e Bípede construtoras deste local de paz, têm todos os motivos para incharem de orgulho.
A minha prenda para o MA é este poema construído com todo o amor do mundo.

Recorto pedaços de silêncio e luz e cor
Espalmo as mãos contra o horizonte azul
Tacteando contornos que nunca explorei
Buscando o que existe de mim a sul do sul
Olhos e rosto de mil claridades submarinas
Se escoam nas ramagens da minha floresta
Em farrapos de muitos brilhos translúcidos
Já não há hemisférios, nem sul, nem norte
No fim apenas mãos e corpos se tocando
Cada palavra destruindo ausências longas
Gestos suaves se abraçando em outros gestos
Até não haver mais que uma alma apenas.
Marcantonio, Eternidade, Técnica Mista
Bem, com tanto bolo vai se precisar de algum refrigerante, eu trouxe, então.

O que acho do Mínimo Ajuste? Plural, democrático, libertário, verdadeiramente coletivo, e sem regras chatas. Reúne pessoas dos mais diversos interesses, todas antenadas, porém, com a cultura, e comprometidas com o humanismo. Enfim, um mínimo-múltiplo-comunitário. Merece um duplo  parabéns, por completar um ano e por sua opção. Ah, e ainda tem na administração duas pessoas de extrema sensibilidade!

E como um blog não existe sem aqueles que o fazem e aqueles que o lêem, parabéns a todos!

E vida longa ao Mínimo Ajuste!

Tudo um ano!


¡ Um ano !
¡Feliz aniversário Minimo Ajuste!

Y aqui estamos, un año despues,cuando la familia de esta página hace de Minimo Ajusto el mejor sitio para ver, leer y sentir todos los días del año.Así que este, sea el primero de muchos años mas en línea!!

Obrigada por deixar-me ser parte deste fabuloso team!!
Beijos!!


UM ANO!!

Pois eu fico aqui e cada qual no seu canto, mas parecemos todos peças do mesmo recanto... E tudo isso devemos a esta impecável e incansável Bípede, que pouco mais de um ano atrás nos juntou e, depois, continuou garimpando pessoas, idéias, colaboradores. Um trabalho fantástico. Afinal, aqui no Mínimo Ajuste já pude discutir, semear, colher e aprender com muita qualidade, sobretudo isso, muita qualidade. É claro que algumas coisas não me agradam, outras menos ainda, mas o fato principal é que este é um espaço democrático por excelência. E isso é bom, muito bom. Aproveitei e colei ai uma imagem de um Deus Maia, que tem a ver com o Tempo e a passagem dele. Afinal, essa passagem do tempo é um fardo para todos e os Mais pareciam saber disso melhor do que nós. Mas, eu espero que a passagem do tempo, aqui, neste Blog, seja apenas um pacote cada vez maior, mais colorido e cheio de coisas belas e gostosas. Pacote do qual todos nós possamos nos aproveitar. Meu sonho, meu maior desejo, é que possamos agregar representantes de todas as nações lusófonas do planeta e, aí sim, sermos uma grande confraria de cuja produção possamos todos nos orgulhar e dizer para filhos e netos: eu participei!
Parabéns ao Mínimo Ajuste por seu primeiro ano. Parabéns a todos que aqui depositam um pouco (ou muito) de seu tempo e, principalmente, parabéns à querida Bípede.
HIP HIP HURRA!!

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Eu acho o Mínimo o máximo!
Nesse um aninho de vida, tanta gente passou por aqui... e foi bom conhecê-los, a todos. Parabéns ao Mínimo Ajuste, a Bípede, Cirandeira e todos aqueles que enriquecem o Mínimo com uma diversidade de abordagem, a cara do blog.
Que venha mais um e outros anos de Mínimo Ajuste!
Parabéns!!!!!!!!

Presente de Aniversário, de Cirandeira


Definições definitivas...


Em Portugal o balão sobe, mas no Bangaladesh...

Bípede Presente de Aniversário


Para comemorar o primeiro ano de vida do querido Mínimo Ajuste e de seus máximos blogueiros, uma bípede cadeirinha :)
beijos

11 de fevereiro - Aniversário do blog



                                    Amanhã, festa no blog. 1 ano de vida. 1 ano com nossas vidas!

Maia presente de aniversário - As Crianças do Paquistão










Fotos de Muhammed Muheisen publicadas no Boston Globe Big Picture.

O Mínimo Ajuste está fazendo -- ou vai fazer -- um ano.
Fica aqui um  presente, uma pequena lembrancinha.
Porque fotografia é arte e poesia.
E as crianças são sempre coloridas.
Inclusive num mundo opaco de privação e miséria.
E a lente do artista consegue captar a poesia
que sempre existe em qualquer lugar.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Acordei poema

Não é que deu agora de todo dia eu acordar poema?

Acho que é preparação para mais 5 ou 50 anos de amor.

Ou talvez resguardo de sonho antigo se realizando

Quem sabe novos sonhos chegando?

Poema é assim vem de flor, dor, analgésico e mentira

Vem pela janela, pelo metrô, pela bicleta e veletrol do menino sapecando no corredor

Vem de solidão

Vem de companhia

O poema se mete em tudo

Metido que só ele

Se meteu no cobertor pesado e quente

Aquecendo o inverno europeu

Fingindo ser sol amarelo da parte de baixo do mundo

O Mendigo e a Nota de 50


Ontem cheguei do trabalho e resolvi bicicletear. Pequei minha bike (é assim que elas são chamadas hoje), aparelho mp3, fone de ouvido, uma nota de 50, identidade e sai pedalando pela ruas de Porto Alegre em direção ao centro. Na av. Independência consegui ouvir -- apesar do rock and roll que tocava -- uma voz me chamando: moço, moço.


Gostei do "moço" e parei. Olhei para trás e era um mendigo, um lumpen, um verdadeiro outsider, segurando a minha nota de 50 que havia caído na calçada. Parei a bicicleta e ele veio na minha direção e me entregou a nota. E disse: ela caiu do seu bolso.

Fiquei sem saber o quê dizer, mas disse: olha, eu só tenho essa nota, não tenho mais dinheiro e gostaria de te gratificar. Ele me olhou e eu olhei para ele. Ficamos em silêncio por alguns poucos segundos até eu falar: de qualquer forma, muito obrigado. E fui embora, enfiando a nota de 50 no meu bolso.

Esse fato me incomodou. O que poderia fazer? Dar a nota para o mendigo? Trocar a nota em algum lugar e dar um troco para ele? Ou fazer como eu fiz, dizer um simples obrigado e ir embora?

Planeta Humano

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Definições definitivas...


As idéias são como pulgas, saltam de uns para outros, mas não mordem a todos.


George Bernard Shaw

TISSATT CITY, de Paulo Amaral

 
Posted by Picasa

Terra Sonâmbula



 " - Não gosto de pretos, Kindzu.
   - Como? Então gosta de quem? Dos brancos?
   - Também não.
   - Já sei: gosta de indianos, gosta da sua raça.
   - Não, eu gosto de homens que não tem raça. É por isso que eu gosto de si, Kindzu. "

Do livro Terra Sonâmbula ( Mia couto)

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Definições definitivas...


O autodidata não é senão um ignorante por conta própria.


Mário Quintana

O Poeta e a Musa


O Poeta e a Musa

Envolto em plumagens escuras,
me aqueço
e sou levado às ranhuras de um afresco.

Tempo e espaço nos separam.
Quereria eu, fosse irreal,
Mas teus olhos guardam em segredo,
a matéria fúnebre que me é real.

Repousa suave sobre meu corpo.
Pairo sobre teus cabelos mórbidos.
Querendo tocar teu corpo,
Devaneio-me em sonhos sórdidos.

Criados em semelhança,
Só lhe faltara o ar.
Do barro me vestiram,
Do gesso lhe despiram,
A vida me sopraram,
E a ti, só lhe faltara o ato.

Vela pelo meu sono,
Vago por entre os vales inóspitos,
Inebriado em teus olhos pálidos,
Sou arrancado desse mundo cálido.

Em vida desejei,
Na morte encontrei,
Num frio e eterno ósculo nos despimos,
Em almas diáfanas nos fundimos.

Escravo do teu corpo
modelado em gesso
satisfaço minha boca
afogado nos teus beijos.

Alma em gesso.


Alexandre Pedro
29.09.2010

***Este poema tem seus DIREITOS AUTORAIS registrados na Biblioteca Nacional. Reprodução somente possível com pré autorização do autor, Alexandre N. Pedro.
http://www.bn.br/portal/index.jsp?plugin=FbnBuscaEDA&radio=CpfCnpj&codPer=15918944842

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Desenhos de Leila Pugnaloni

Definições definitivas...


Todos nós nascemos originais e morremos cópias.

O vendedor de Passados


                        "A única coisa que em mim não muda é o meu passado: a memória do meu passado humano. O passado costuma ser estável, está sempre lá, belo ou terrível, e lá ficará para sempre."

Vinte e zinco


Do livro Vinte e Zinco, de Mia Couto:

" Ninguém nasce desta ou daquela raça. Só depois nos tornamos pretos, brancos ou de qualquer outra raça."

" A vida é infinita. Mas nada é tão enorme quanto a morte."

" Ingénuo não é o que acredita mas o que pensa que os outros também acreditam."

IDAS E VINDAS

Eu deveria ter deixado você ir embora. Deve mesmo ser amor. Porque impedi. Porque imaginei que, no fundo, você queria ficar.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Definições definitivas...


A minha vontade é forte, mas a minha disposição de obedecer-lhe é fraca.

A Árvore...


...Árvore que sou...fraca...forte...ainda com raízes fincadas nesse chão...algumas folhas soltas...outras presas...e um dia...depois de um já esperado vento....vou mudar tudo de lugar...e com as raízes soltas...voarei com as últimas folhas...